17.9.11

O aniversário do Pedro

Sentado no banco do jardim olho através das árvores para o prédio em frente. Concentro-me na janela do 2º andar, lá está ela. São dez horas da noite e vai fumar um cigarro. Já reparei nela há algum tempo, todos os dias à mesma hora. Nesses momentos solto a cadela e fico a observá-la. Hoje a cadela foge atrás de um gato preto e interrompe-me o momento. Quando regresso ao banco do jardim ela já voltou para dentro de casa. Resmungo em surdina. O gato estragou-me o melhor momento do dia. Não sei nada sobre ela, a não ser que é nova no meu bairro.

Um destes dias cruzo-me com ela na bomba de gasolina, olha para mim com um sorriso, surpreendido não sou capaz de lhe dizer nada, eu entro ela sai, estava acompanhada por uma amiga, falavam das férias lembro-me.

Descobri que trabalha numa loja de roupa no Chiado e no dia seguinte vou ao trabalho dela, mas, ao ver-me perante uma colega dou-me conta que não posso pedir para falar com ela porque não sei o seu nome e, mesmo que soubesse, não saberia o que lhe dizer. Provavelmente ficaria de novo calado e ela pensaria que eu era um tipo desequilibrado, um doido. Por isso inventei uma desculpa e vim-me embora.


Na sexta-feira sou convidado para uma festa, é o aniversário do Pedro e ele fez questão de convidar alguns dos seus amigos, a festa é ao ar livre, num jardim grande e relvado, estão cerca de 50 pessoas, ouve-se música alta, há gente a dançar, grupos de amigos a conversar, um pequeno bar. Eu deambulo por ali sozinho á procura de alguém conhecido. Subitamente, mesmo à minha frente, lá está ela, também sozinha. Tem um copo na mão e um ar um pouco perdido naquele ambiente. "Eu conheço-te", diz ela, "passeias todas as noites com a tua cadelinha no jardim". Faço que sim com a cabeça, um pouco atrapalhado. "Costumo ver-te sentado no banco do jardim quando vou à janela fumar um cigarro". Eu sei, digo, também costumo ver-te, mas não sabia que tinhas reparado em mim. Ela ri-se, "reparei, és o único que pára e fica a olhar para mim sentado naquele banco". Entretanto somos interrompidos, o Pedro aproxima-se, beija-a apaixonadamente e diz-me sorrindo: "Esta é a Mariana, a minha namorada, não sabia que já se conheciam". Fecho os olhos e faço-lhes uma careta enquanto se beijam de novo. Pouco depois saio da festa. Vou a casa, pego na trela e depressa volto à minha rotina.

5 comentários:

MoonLight disse...

é tão bom ter-te de volta!=D
infelizmente só descobri o teu blogue na altura em que deixaste de escrever, mas gostei tanto de te ler que não tive coragem de apagar do reader, sempre na esperança que voltasses!!=)

quanto a essa rapariga, experimenta mudar de banco.. pode ser que encontres uma melhor, e disponível!=)

elena alonso disse...

olá maninho... que bom que voltas-te a escrever!! :)) pena que desta vez a tua inspiração, tenha vindo de uma linda miúda que já comprometida...xD
Mas...mesmo assim fico feliz e espero que voltes aqui com muita frequência para poder deliciar-me com o que de melhore sabes fazer...ESCREVER!!! bjo grande

Teresa disse...

Esse jardim tem mais bancos! Novo dia, novo banco! ehehehe

Welcome Back!!! :-)

Starfish disse...

Acho que isso já aconteceu a todos... mas há coisas piores. E, com certeza, haverá outras pessoas mais interessantes nesse jardim :)

Marisa disse...

voltasteeeeeeee :)

Eu vou andando por aqui na "cusquice"
Escrever? Não me parece mais... :)

Beijinhooooooooooo